domingo, 31 de julho de 2011

DNIT - roubalheira sem solução

Enquanto nossas rodovias acabam, assistimos à limpeza feita na cúpula do DNIT. Isso resolverá o problema? Dificilmente.

O DNIT é, provavelmente, o órgão mais corrupto do Brasil. E nisso não inovou, pois herdou a corrupção junto com a mudança de nome: o DNER já ostentava o título de campeão da corrupção. No DNIT – assim como acontecia com o DNER – quem manda são as empreiteiras. O governo pouco ou nada manda lá.

O prejuízo para o erário e para quem precisa das estradas começa com os preços oficiais. A tabela oficial de preços do DNIT é inflada. Isso significa que se as empreiteiras fizessem um bom trabalho e recebessem de acordo com a tabela, já teriam um lucro apreciável e invejável.

Entretanto, as empreiteiras – e os políticos por elas beneficiados – não se contentam com esse lucro. Elas buscam mais. Fazem-no em três frentes principais: primeiro, superfaturando sempre que possível (passando por cima da tabela); segundo, executando a obra abaixo das especificações; terceiro aditivando repetida o contrato, tirando itens pouco lucrativos, colocando itens mais lucrativos e recebendo mais pelo simples acréscimo de tempo.

As mudanças na cúpula do DNIT não resolverão nada. Mesmo que ali entre uma ou duas dúzias de dirigentes honestos e zelosos, eles serão vencidos pela história do órgão e pela estrutura corrompida em que se sustenta.

Assim sendo, se a presidente Dilma quiser ter um órgão honesto e capaz para cuidar da infraestrutura do Brasil, só terá um caminho a seguir: implodir o DNIT e criar outro órgão inteiramente novo, começando do zero. Até lá continuaremos convivendo com roubalheira, estradas assassinas, obras inacabadas e inacabáveis.

sábado, 30 de julho de 2011

Familiares de vereadores presos escandalizam a cidade e o Brasil

O fato de todos os 9 vereadores de uma cidade estarem presos por corrupção já é assustador. Mas ver as cenas chocantes protagonizadas por familiares extrapola qualquer limite. (Se você não gosta de ver baixaria pesada, NÃO VEJA A NOTÍCIA. O vídeo contém imagens osbcenas.)

PMDB bom-despachense passa por oxigenação e perde o ranço

Reinauguração do Núcleo de Prática Jurídica

A UNIPAC Bom Despacho convida para a reinauguração do Núcleo de Práticas Jurídicas.
Dia: 1º de Agosto de 2011 (segunda-feira)
Hora: 17 h 30 min.
Local: Rua Faustino Teixeira, 149 - Centro, Bom Despacho

Maçonaria promove churrascão para arrecadar fundos para suas obras sociais


Prêmios: um Uno zero, 4 motos Honda 0 km 
1º Churrascão de Bom Despacho - dia 20/8/2011 (atenção: 20/8 e não 28/8, como antes aqui erroneamente anunciado)
O ingresso inclui: 
• Cerveja
• Churrasco do Roberto Churrasqueiro
• Caldos deliciosos
• Tropeirão
• Refrigerantes
O show é por conta da Banda Mayoma, com Ione, Manoel, Boleka e Gabiroba
• Trio elétrico e DJ







Onde adquirir o convite:
• Correio da Praça – Falar com Débora (3521-1586)
• Salão do Pretinho – Falar com Cabeção (9986-8000)

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Estado de Minas: Vereadores continuam presos

Vereadores de Fronteira dividem cela com condenados Parlamentares presos há oito dias são transferidos para ala comunitária e mantêm rotina sem qualquer regalia

Alice Maciel (Para ler a matéria original no Estado de Minas, clique aqui).
Publicação: 28/07/2011 06:00 Atualização: 28/07/2011 08:17

Depois de vestir o uniforme alaranjado do sistema prisional mineiro, ter a cabeça raspada e ainda usado algemas, os nove vereadores de Fronteira, no Triângulo Mineiro, viraram motivo de chacota. Agora, eles foram obrigados a dividir o espaço das celas com 15 outros presos na penitenciária de Frutal, onde estão detidos. Os parlamentares estavam separados em uma cela para presos provisórios no fundo da cadeia. Devido a uma festa na cidade, eles tiveram de ceder o local para menores de idade e se juntar aos outros. A penitenciária de Frutal tem capacidade para 60 presos, mas abriga 120, entre condenados e provisórios. A Secretaria de Estado de Defesa Social informou que a cadeia está em obras para ampliar a capacidade.

O advogado dos vereadores, Arnaldo Silva Júnior, disse que está trabalhando na tentativa de transferir os parlamentares. Ele notificou a situação deles ao juiz de Frutal e fez um relato no pedido de habeas corpus. Silva Júnior se encontrou com os vereadores na terça-feira e disse que eles estão “em situação degradante e viraram alvo de piadas”. “A cadeia é igual a gente vê na televisão: superlotada”, comparou. O advogado disse ainda que mesmo os três vereadores com curso superior estão presos em celas comunitárias. A única mulher, Sileide Nunes do Nascimento Faitaroni (PP), ex-presidente da Câmara Municipal, está com outras duas presidiárias, também condenadas.

Os vereadores de Fronteira completam nesta quinta-feira oito dias na prisão, sem qualquer regalia. Estão se alimentando da comida da penitenciária, tomando banho frio, dormindo em colchões no chão e, com exceção de Sileide Faitaroni, não escaparam da máquina 2, apesar da resistência do diretor do presídio. Depois da segunda noite na cadeia os outros presos ameaçaram deflagrar uma rebelião, caso os parlamentares não tivessem a cabeça raspada, como é de praxe a todos que chegam.

Os políticos estão aguardando a decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Na sexta-feira, o desembargador do TJ Rubens Gabriel Soares indeferiu o pedido de habeas corpus provisoriamente. Ele solicitou à juíza de Frutal que fundamentasse melhor o motivo da prisão. Ainda não há previsão de quando sairá uma nova decisão.

A DENÚNCIA Os nove vereadores foram presos no dia 19, quando estavam a caminho do fórum para prestar depoimento. A motivação da prisão, segundo o Ministério Público, foi a contratação de uma empresa de contabilidade, ao custo de R$ 5 mil, em nome da Câmara Municipal, para derrubar as provas da promotoria que já havia ajuizado uma ação civil pública contra eles. A denúncia do desvio de dinheiro da verba indenizatória foi encaminhada à Justiça em dezembro e os vereadores contrataram a empresa em janeiro. O ato foi visto pela promotoria como uma ameaça à ordem pública e ao erário.

Os parlamentares estão sendo processados por formação de quadrilha, peculato (desvio de dinheiro público) e atos de improbidade administrativa. Eles são acusados ainda de enriquecimento ilícito e dano ao erário, devido ao mau uso da verba indenizatória, criada em 2008 por eles.
Enquanto isso, ex-prefeito pega dois anos de cadeia

O ex-prefeito de Alpercata, na Região Leste de Minas, Edson Amâncio de Sá foi condenado a dois anos e três meses de prisão e teve os direitos políticos suspensos por três anos em ação movida pelo Ministério Público Federal (MPF) em razão de irregularidades na execução de convênio firmado pela prefeitura com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Dos R$ 99.851,52 encaminhados pelo FNDE à prefeitura, apenas R$ 74 mil foram repassados às famílias atendidas pelo Programa de Garantia de Renda Mínima. Os outros R$ 24.962,88 foram desviados ou aplicados indevidamente em outros propósitos que não os previstos no convênio. A pena, aplicada também à então secretária municipal de Educação Maria das Graças Alves de Oliveira, foi substituída por multa e prestação de serviços à comunidade pelo mesmo prazo. Amâncio responde a outras cinco ações de improbidade e a dois processos criminais.

Saiu a terceira chamada do ProUni

O MEC divulgou na manhã de hoje (28) a terceira chamada do ProUni. Os candidatos devem comparecer à instituição de ensino de seu interesse. O prazo para a inscrição e processo seletivo (se houver) começou hoje e irá até o dia 3 de agosto.

Estudantes não selecionados ainda poderão entrar na lista de espera entre os dias 8 e 10 de agosto.

Clique aqui para ver as listas de chamadas.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Centro de zoonoses empacado

A construção do centro de zoonoses está empacada. Enquanto isso, gatos e cachorros abandonados continuam nas ruas incomodando a muita gente e colocando nossa saúde em risco.

Essa irresponsabilidade da prefeitura, porém, não é desculpa para que alguns indivíduos exercitem sua crueldade contra os animais.

Na tarde ontem, nas proximidades da estação rodoviária, uma pessoa bateu na cabeça de um gato até quase lhe colocar os miolos para fora. Que tipo de pessoa é essa, que faz tal crueldade gratuita?

A mesma coisa vem acontecendo com os cães abandonados. Algumas pessoas os maltratam, como se isso fosse resolver o problema. Não vai. O que vai resolver o problema é ação da prefeitura combinada com uma atitude responsável por parte dos proprietários de animais.

Entre tais ações da prefeitura, está a construção do centro de zoonoses.

Morreu D. Helena Greco

D. Helena Greco nasceu em Abaeté, pequena cidade do oeste de Minas, a 15 de junho de 1916, de pai italiano (Antônio Greco) e mãe mineira (Josefina Álvares Greco). Sua primeira transgressão foi a leitura dos clássicos quando ainda vigorava o index librorum proibitorum. Adquiriu formação humanista e se manteve agnóstica em pleno internato dominicano. Este gosto pelos clássicos e o prazer da leitura ela carregou a vida inteira, juntamente com uma cinefilia exacerbada. Talvez tenha sido esta a fonte onde ela hauriu para depois desenvolver a peculiar capacidade de indignação, sua característica mais marcante.

Ela é farmacêutica de formação - embora nunca tenha exercido formalmente a profissão - milita no seu sindicato e se sente muito honrada de ter uma sala no Conselho Regional de Farmácia com o seu nome. Foi casada durante sessenta e quatro anos com o saudoso Dr. José Bartolomeu Greco (falecido a 6 de janeiro de 2002), seu companheiro da vida inteira – tem três filhos (Marília, Heloisa e Dirceu) e três netos (Helena, Júlia e Gustavo).

Começou a militar aos sessenta e um anos de idade , em 1977, e não parou mais. Sua participação política, reconhecida nacional e internacionalmente, tem como marco a gloriosa luta pela Anistia Ampla Geral e Irrestrita, da qual ela se tornou praticamente sinônimo. Foi presidente e fundadora do Movimento Feminino pela Anistia/MG (1977) e do Comitê Brasileiro de Anistia/MG (1978); ajudou a construir e foi membro do Comitê Executivo Nacional/CEN destas entidades. Foi ainda a representante do Brasil no Congresso pela Anistia do Brasil em Roma, em junho/1979.

Ao longo de toda a sua trajetória, D. Helena imprimiu a sua marca de radicalidade e politização – o que passou a ser a sua marca registrada - sempre a partir da combinação luta contra a ditadura/ luta feminina e feminista. Sob sua direção, o 8 de março, Dia Internacional das Mulheres, passou a ser comemorado publicamente em Belo Horizonte (1978) na perspectiva da luta pela superação da discriminação, do preconceito, da violência, da brutal desigualdade de gênero – sistêmica nesta sociedade tão arraigadamente patriarcal e machista, de um lado, e tão exploradora e opressora, de outro. Também sob sua direção e ainda em 1978, instituiu-se a contra-comemoração do Dia Internacional dos Direitos Humanos – então fazendo trinta anos – na perspectiva da luta contra a ditadura militar.

Sua luta contra a ditadura se desdobrou na luta contra todas as formas de opressão cujo lado afirmativo é a luta pela construção do binômio Direitos Humanos/Cidadania. D. Helena exerceu dois mandatos como vereadora de Belo Horizonte pelo Partido dos Trabalhadores (1983-2002), do qual foi fundadora, sempre no marco – hoje drasticamente aniquilado - de um partido independente, classista e socialista na adversidade de uma sociedade de classes selvagemente opressora e excludente. D. Helena sempre criticou e combateu o burocratismo, o autoritarismo e o direitismo que hoje prosperam sem limites no partido que ajudou a construir, que é ainda o partido do seu coração.

Também no espaço eminentemente instituído e reacionário da Câmara Municipal onde, naquele momento – estamos em 1983 - só havia duas vereadoras (a outra era D. Maria Toffani), ela deixou impressa sua marca registrada: idealizou, conseguiu fazer aprovar e implementou a Comissão Permanente de Direitos Humanos – a primeira do gênero no Brasil - cujo programa político se bifurcava na luta contra a opressão e a exploração dos trabalhadores e do povo e na luta contra a discriminação e desigualdade de gênero. Tudo isto ainda durante a ditadura militar.

Foi também D. Helena que idealizou o primeiro órgão executivo, no Brasil, voltado exclusivamente para a questão dos direitos humanos - a Coordenadoria de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de Belo Horizonte - na administração da Frente BH Popular (2003-2006). A CDHC acabou por se constituir referência para várias outras criadas posteriormente Brasil adentro e afora. A partir destes instrumentos, aprofundou a luta contra a violência policial e institucional e pelo direito à verdade e à memória da resistência contra a ditadura militar. Para ela, os pontos programáticos da luta pela Anistia Ampla Geral e Irrestrita continuam valendo: a erradicação da tortura; o esclarecimento circunstanciado dos crimes da ditadura militar; a localização dos restos mortais dos desaparecidos políticos; a nomeação responsabilização e punição dos torturadores e assassinos de presos políticos, bem como daqueles que perpetram os mesmos crimes nos dias de hoje. Tornou-se referência de luta contra a tortura, que continua a ser uma das instituições mais sólidas no Brasil – junto com a Rede Globo e o latifúndio – e contra a criminalização da pobreza e dos movimentos sociais, o encarceramento em massa e o genocídio da nossa juventude negra.

D. Helena sempre atuou na perspectiva do instituinte, da amplificação da política. O seu espaço de atuação, por excelência, é a polis, a agora, não a estreiteza do espaço institucional. Ela fundou o Movimento Tortura Nunca Mais/MG, em 1987. Em 1995, foi idealizadora e uma das coordenadoras do Fórum Permanente de Luta pelos Direitos Humanos de Belo Horizonte que, então, conseguiu articular cerca de trinta entidades e movimentos voltados, direta ou indiretamente, para a defesa dos direitos humanos. Ainda em maio/1995 recebeu o prêmio Chico Mendes de Resistência, motivo de tanto orgulho e da maior alegria para ela.

D. Helena foi uma das fundadoras da Associação Cultural José Marti, da qual foi a primeira presidente. Sua militância aí se deu no bojo da luta pelo reatamento das relações diplomáticas Brasil – Cuba. Foi ela que assinou, em Havana, o pacto de amizade no Instituto Cubano de Amizade com os povos, em setembro de 1987.

D. Helena tornou-se também referência de luta feminista. Em dezembro de 1993, dia Internacional dos Direitos Humanos, por sua iniciativa, tomou posse na Prefeitura de Belo Horizonte a Comissão Paritária de Mulheres, composta por seis representantes da Administração Municipal (CDHC/PBH, secretarias de Educação, Cultura, Saúde, Governo e Desenvolvimento Social) e seis representantes do movimento de mulheres (MUSA, Coletivo de Mulheres Negras, NEPEM, GRAAL, Movimento Popular da Mulher e Pastoral da Mulher Marginalizada). Seu objetivo era a discussão de políticas públicas para a mulher priorizando a construção de uma Casa Abrigo para mulheres em situação de violência, por se tratar de reivindicação histórica dos movimentos femininos e feministas, a partir da assustadora escalada da violência de gênero na cidade. Em 1996, a Comissão Paritária de Mulheres evoluiu para o Conselho Municipal da Mulher, regulamentado em decreto pelo Executivo Municipal em janeiro e instalado em março. Neste trecho de seu agradecimento pela homenagem recebida por ocasião do Dia Internacional das Mulheres (março/1999) no Bairro 1º de Maio, reduto operário de Belo Horizonte, ela define o que entende por “verdadeira luta feminista”:

“... é aquela que procura erradicar tudo o que significa subordinação, discriminação, preconceito, relações de violência e discriminação de gênero, o que compreende o combate a todas as formas de opressão. Esta luta compreende também o esforço de reverter o aviltamento das relações de convivência, resgatando a solidariedade como valor; e [reverter também] a construção desta ‘ausência de pensamento’ que parece levar todo mundo a pensar – ou não pensar – do mesmo jeito o tempo todo: temos que discriminalizar o dissenso e resgatar a criticidade, a rebeldia e a capacidade de indignação como virtudes contemporâneas”.

Muito difícil concluir este breve relato da trajetória de D. Helena Greco. Melhor, neste caso, transcrever mais uma vez suas próprias palavras, sempre tão expressivas, como este pequeno trecho do discurso feito por ela ao receber o título de cidadania honorária na Câmara Municipal de Belo Horizonte, em 28 de agosto de 1998, projeto do então vereador Rogério Correa (PT):

“[Quero] reafirmar o imperativo de continuarmos firmes na construção do projeto alternativo à situação de barbárie que estamos vivendo: este projeto significa exercício pleno da cidadania, significa, sobretudo socialismo! ‘É no socialismo redefinido de acordo com sua essência que se corporifica a restauração da capacidade dos seres humanos de intervir construtivamente na natureza, na civilização e na perenidade da vida’ – diria, com certeza o nosso saudoso Florestan Fernandes se estivesse aqui conosco. Resta, portanto, longo caminho a percorrer.”
Mais expressivas ainda são as palavras de Gustavo, o neto mais velho, ao se pronunciar nesta mesma ocasião, falando pela terceira geração – ele tinha então 24 anos de idade. Assim ele descreveu a ‘vovó Helena”:

“Lembro também do meu encanto ao ver a vovó tocando piano. Um belo piano de acuda preto (...). E ela tocava sempre que eu pedia. Nesta mesma sala conheci Bach, Beethoven, Mozart, principalmente Mozart. Aos cinco anos eu já assoviava algumas de suas composições. (...) Uma coisa é certa: o nome dela não passa em branco. Uma mulher que, em 1937, formou-se na Faculdade de Farmácia pela UFMg, aprendeu a falar quatro línguas e, aos sesenta e um anos, resolveu enfrentar uma jornada política me fez enxergar as mulheres de outra forma. Primeiro por encarar esta questão de gênero de maneira igualitária. Homens e mulheres caminham lado a lado, nem um passo atrás, nem à frente. Em segundo lugar e o mais importante: não existe a hora certa de dar uma guinada na vida, nunca é tarde para começão e, acima de tudo, questionar. Aprendo que qualquer um pode ser tudo aquilo que quer e nunca deve deixar de lado a utopia, por mais difícil que possa parecer. Para terminar, repito suas palavras: ‘A única coisa que não podemos perder nunca é nossa capacidade de indignar. É isso que impulsiona as mudanças’. Vó, parabéns! Amamos muito você!”.

Em 2005, D. Helena Greco foi uma das cinquenta e duas brasileiras (duas mineiras, ela e Fátima de Oliveira) que integraram a lista do Projeto Mil Mulheres para o Prêmio Nobel da Paz, iniciativa da Fundação Suíça pela Paz e Associação Mil Mulheres. Hoje, do alto de seus noventa e quatro anos de idade incompletos ela continua se reivindicando – com muito orgulho - “feminista radical e militante socialista.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Corrida de orientação avança no Brasil

 Orientação (ou corrida orientada) é um esporte que consiste em encontrar objetos ocultos ("prismas") em um terreno desconhecido, usando apenas um mapa e uma bússola. A prática surgiu na Suécia, nos meados do século XIX (o termo "orientação" aplicado ao esporte foi usado pela primeira vez em 1886.

No Brasil o esporte foi introduzido no início da década de 70. O primeiro percurso oficial aconteceu no dia 26 de junho de 1971, a Mendanha, Rio de Janeiro. Desde então vinha sendo, essencialmente, um esporte praticado por militares.

Nas últimas décadas – principalmente após a criação da CBO (Confederação Brasileira de Orientação) – tem havido um esforço bem-sucedido para levar o esporte a estudantes e à toda população.

Em Minas Gerais, devido à influência dos militares do exército, o esporte se firmou primeiro nas regiões de Três Corações e no Triângulo. Hoje, porém, já está mais espalhado e Minas conta com a FMO (Federação Mineira de Orientação).

Perto de Bom Despacho temos o CODIV (Clube de Orientação de Divinópolis) que tem grande número de filiados entre os estudantes.

Uma vista a esses sítios (CBO, FMO e CODIV) é um bom ponto de partida para quem quer saber mais sobre o esporte.

Agora – conforme vemos na reportagem abaixo, a Orientação deverá fazer parte dos jogos regionais de São Paulo. É mais um avanço do esporte no Brasil (clique na imagem para ler melhor).

Haroldo Queiroz paga placa superfaturada em 14 vezes o valor real

O quadro mostra que Haroldo Queiroz superfaturou a placa da obra em 13,95 vezes (1.294,58%). Ou seja, em vez de pagar o valor real de R$ 2.300,04 que havia sido orçado, pagou R$ 32.076,00. Para o bolso de quem foi a diferença?

Na locação da obra ele pagou R$ 127.550,00 a mais. Ou seja, deveria pagar R$ 14.000,00 mas pagou R$ 141.550,00. Um prejuízo de 911,07% ou 10,11 vezes a mais o valor devido. Para o bolso de quem foi a diferença?

Serviço Preço
real
Preço
pago
Prejuízo em
R$
Prejuízo
percentual
Vezes a
mais
Placa da obra        2.300,04             32.076,00      29.775,96 1294,58% 13,95
Locação da obra      14.000,00           141.550,00    127.550,00 911,07% 10,11
Barracão da obra        3.300,00             33.210,00      29.910,00 906,36% 10,06
Escavação mecanizada      21.546,00             83.106,00      61.560,00 285,71% 3,86
Limpeza de entulho        8.575,00             32.110,00      23.535,00 274,46% 3,74
Reaterro manual      37.800,00             97.128,00      59.328,00 156,95% 2,57
Escavação de solo mole   104.125,00           109.012,50        4.887,50 4,69% 1,05
Totais   191.646,04           528.192,50    336.546,46 175,61% 2,76

Depois dessa roubalheira toda, Haroldo Queiroz tem a desfaçatez de dizer numa entrevista que não tem dinheiro nenhum, que está devendo até a conta de luz.

Vamos deixar bem claro: está perfeitamente documentado e provado que o prefeito Haroldo de Sousa Queiroz desviou vários milhões na canalização do Córrego das Palmeiras (Avenida Dr. Roberto). Segundo documento OFICIAL da CODEVASF, o desvio foi de R$ 1.330.975,32 em dinheiro de 2007 (isso é, não corrigido). Atualmente esse valor chega a cerca de R$ 3 milhões.

Entretanto – é bom ressaltar – a CODEVASF identificou apenas o prejuízo contábil. Ou seja, o superfaturamento identificado nas planilhas. Não levou em conta as obras e serviços não realizados. Por exemplo, o plantio das árvores, o passeio e a colocação de ladrilhos. Só aí o prejuízo sobe em cerca de R$ 500 mil. Isso, em dinheiro da época. Hoje esse valor representa mais de R$ 1 milhão.

Os dados acima foram tirados das planilhas OFICIAIS reproduzidas abaixo (clique nas planilhas para vê-las em ponto maior)

CEI Eraída Alves comemora dia dos avós

Dia 2 de julho as crianças do CEI Eraída Alves (Bairro Esplanada) comemoraram o dia dos avós. O dia oficial dos avós é 26 de julho, mas a escola antecipou o encontro entre avós e netos para ajustar-se ao calendário escolar.
Para festejar a data, as crianças montaram um mural com alunos do 2º período. Houve também café da manhã, sorteio de brindes e atividades diversas. Entre elas, a prática do Tai Chi Chuan.

Em setembro OAB promove Congresso de Direito Civil

Clique no cartaz para vê-lo em ponto maior.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Novas provas da roubalheira na Avenida Dr. Roberto

Existe um caminhão de provas do desvio do dinheiro que o prefeito Haroldo Queiroz perpetrou na canalização do Córrego das Palmeiras (Avenida Dr. Roberto). Documentos reexaminados recentemente confirmam (mais uma vez): os preços foram superfaturados. Não apenas superfaturados: foram exageradamente superfaturados.

O tamanho da roubalheira pode ser comprovado no quadro abaixo.A coluna da direita foi tirada da proposta da empreiteira Valadares Gontijo. O restante do documento (à esquerda), é da planilha aprovada pela CODEVASF. Verifica-se que nos "serviços preliminares"  a diferença foi de R$ 147.704,04. Isso significa um superfaturamento de 955,28%.

Já no item "movimento de terra", a diferença foi de R$ 149.310,50. Isso significa um superfaturamento de 86.79%.

Foi assim, superfaturando e diminuindo ou deixando de executar serviços que a empreiteira e o prefeito desviaram mais de R$ 5 milhões (em dinheiro de hoje). (Clique na imagem abaixo para ler melhor)

O desvio de vários milhões na compra de veículos e na canalização da Avenida Dr. Roberto já está mais do que provada. A busca e apreensão que o Ministério Público efetuou na casa do prefeito, na casa do ASCONE Acir Parreiras e na prefeitura foi para confirmar onde está o dinheiro e quem são os laranjas que o escondem.

Força Jovem promove "Feira Cultural"

TCE/MG constata: 1/3 dos concursos municipais estão contaminados por ilegalidade

VAGAS SUSPENSAS
Concursos tomam bomba

TCE reprovou 190 processos seletivos em Minas em três anos. Irregularidades vão da falta de informação sobre salários ao desrespeito à lei que destina vagas para deficientes físicos

Isabella Souto (Matéria publicada no jornal Estado de Minas).


Tão difícil quanto passar em um concurso público tem sido a realização deles. Nos últimos três anos, 190 provas foram suspensas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) porque os editais ou o processo seletivo apresentaram irregularidades. O número equivale a 33% dos 579 documentos enviados por prefeituras mineiras ou órgãos estaduais para análise dos conselheiros. Entre as ilegalidades mais comuns estão a falta de lei prevendo a criação dos cargos para a disputa, não destinação de parte das vagas para deficientes físicos – legislação determina que pelo menos 10% devem ser reservadas a eles – ou definição prévia do salário que os aprovados receberão.

Todo edital de seleção pública tem que necessariamente passar pelo crivo do TCE. A diferença é que, até 2008, mesmo se encontrassem alguma irregularidade no processo, os conselheiros não poderiam fazer nada. Há três anos, no entanto, a Lei Complementar 102/08 deu ao órgão o poder de suspender concursos até que os erros sejam sanados por quem os está promovendo. “Agora nós podemos agir preventivamente”, explica o presidente do TCE, Antônio Carlos Andrada. Ele acredita que a maior parte dos erros se deve a desconhecimento, e não má-fé por parte dos gestores. Além disso, não há uma lei específica trazendo as regras para concursos, como ocorre, por exemplo, em relação a licitações.

Nos três anos em que a lei está em vigor, 2009 foi aquele em que houve o maior número de suspensões: 125. Dois fatores podem explicar esse boom. O primeiro é a pressão exercida pelo Ministério Público do estado para que as prefeituras substituíssem servidores contratados por concursados. Foram vários os termos de ajustamento de conduta (TAC) firmados entre MP e municípios ao longo de 2009, quando foram disputados milhares de vagas públicas. Desde então, as suspensões promovidas pelo TCE serviram de alerta para quem esteve organizando novas provas, o que pode explicar a redução do número de testes irregulares em 2010 (24) e 2011 (11).

O último concurso a ser colocado em xeque pelo TCE foi o previsto no edital 01/2011 da Prefeitura de Contagem, na Região Metropolitana. Em 30 de junho, os conselheiros apontaram a falta de comprovação de sua publicação em jornal de grande circulação; a previsão irregular dos critérios de isenção do pagamento da taxa de inscrição; o prazo exíguo para a interposição de recursos – dois dias –; e a ausência de previsão para a ordem de convocação dos candidatos que concorrem às vagas destinadas a pardos e negros, bem como aos candidatos portadores de necessidades especiais.

Razoabilidade No mês passado, foram reprovadas pelo TCE as provas lançadas pelas prefeituras de Ribeirão Vermelho (Sul de Minas) e Esmeraldas (Região Metropolitana de Belo Horizonte). Nos dois casos, os concursos já foram realizados e questionados no tribunal por terceiros. Uma representação feita pela Câmara Municipal de Rio Vermelho alegou que “houve ofensa aos princípios da competitividade, da isonomia e da razoabilidade”. Até que o caso seja investigado, o TCE determinou a suspensão das nomeações e posses dos candidatos aprovados.

Em Esmeraldas, o concurso já começou e foi paralisado. A prova seria realizada em 26 de junho para o preenchimento de cargos do quadro efetivo e de reservas. No entanto, o Conselho Regional de Técnicos em Radiologia (CRTR) apontou irregularidades que poderiam comprometer a legalidade e a competitividade da seleção. O TCE cobrou da prefeitura informações sobre lei criando os cargos colocados em disputa, escolaridade, atribuições e remuneração.

Blog: (ISTOÉ) Prefeitos na cadeia

Blog: (ISTOÉ) Prefeitos na cadeia: "* Alan Rodrigues, Lúcio Vaz e Luiza Villaméa Com a prisão prestes a ser decretada, o prefeito Antônio Teixeira de Oliveira (PT), da cidade ..." (Leia o restante da matéria clicando aqui)

Advogados vão ao TJ em busca de solução para a falta de juiz na 1ª Vara

Dia 21/7 os advogados Mário César Hamdan Gontijo, Haroldo Celso de Assunção e eu estivemos com o presidente do TJMG, Desembargador Cláudio Costa, onde fomos pedir uma solução urgente para a falta de juiz na 1ª Vara de Bom Despacho.

Embora tenha apontado diversos obstáculos, o presidente do TJ se comprometeu a desenvolver gestões no sentido de solucionar o problema no menor tempo possível.
Advogados Fernando Cabral, Haroldo Assunção e Mário Hamdan
pedem a ajuda do presidente do TJMG,
Desembargados Cláudio Costa (foto: TJMG)
 A falta de juiz na 1ª Vara causa graves prejuízos para os advogados. Entretanto, o principal prejudicado é o cidadão, que não consegue uma solução rápida para seus conflitos.

Vereadores continuam presos

 Os vereadores corruptos e a visão do cartunista Fred

sábado, 23 de julho de 2011

Vereadores querem aumentar vagas de 9 para 13

Ah, se a moda pega... No Brasil metade das prefeituras ficariam sem prefeito, metade das câmaras, sem vereadores...

EXECUTIVO NA CHINA É CONDENADO À MORTE POR CORRUPÇÃO

Pequim, 22 jul (EFE).- O ex-subdiretor-geral da companhia estatal China Mobile Zhang Chunjiang foi condenado nesta sexta-feira à morte por corrupção, mas a pena pode ser comutada por cadeia perpétua se for comprovado bom comportamento durante dois anos, informou a agência oficial "Xinhua".

Um tribunal da província de Hebei ordenou ainda a privação de seus direitos políticos e o confisco de todos os ativos pessoais do ex-subdiretor da China Mobile, a maior companhia de telefonia celular do mundo por número de assinantes.

Segundo a sentença, Zhang, de 53 anos, aceitou suborno no valor de 7,46 milhões de iuanes (US$ 1,15 milhão) entre 1994 e 2009 em diversas acusações, incluindo a do chefe do Partido Comunista da China (PCCh) na companhia.

Zhang poderá ter a pena convertida em cadeia perpétua por ter confessado seus delitos e porque todo o dinheiro do suborno foi recuperado.

O ex-subdiretor foi demitido de seu cargo na China Mobile em janeiro e também expulso do Partido Comunista da China para poder ser julgado.

Outro diretor da China Mobile, Shi Wanzhong, de 51 anos, também foi condenado à morte em junho por ter aceitado US$ 5,06 milhões de suborno da multinacional alemã Siemens.

(TEXTO EXTRAIDO DO PORTAL UOL NESTA SEXTA, DIA 22/07/2011)

Vem aí o Churrascão de Bom Despacho

Prêmios: um Uno zero, 4 motos Honda 0 km.  – E uma festa de arromba.

1º Churrascão de Bom Despacho - dia 28/8/2011
O ingresso inclui: 
• Cerveja
• Churrasco do Roberto Churrasqueiro
• Caldos deliciosos
• Tropeirão
• Refrigerantes
O show é por conta da Banda Mayoma, com Ione, Manoel, Boleka e Gabiroba
• Trio elétrico e DJ

Onde adquirir o convite:
• Correio da Praça – Falar com Débora (3521-1586)
• Salão do Pretinho – Falar com Cabeção (9986-8000)

TJMG mantém prisão de vereadores

Para ler o  original, no Estado de Minas, clique aqui.

Desvio de dinheiro público » 
TJMG nega habeas corpus dos vereadores presos no Triângulo Mineiro

Patrícia Scofield -
Publicação: 22/07/2011 18:40 Atualização: 22/07/2011 19:19
O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) indeferiu, nesta sexta-feira, o pedido de habeas corpus impetrado pelo advogado dos nove vereadores de Fronteira, no Triângulo Mineiro, presos nessa terça sob a acusação de desvio de dinheiro público. Segundo o desembargador Rubens Gabriel Soares, com base na alegação da defesa, ainda há dúvidas sobre a prisão dos parlamentares, e caberá à Comarca de Frutal prestar mais informações sobre o caso no prazo de cinco dias. Após esse período, o processo segue para a Procuradoria-Geral.


Vereadores de Fronteira, no Triângulo, chegaram algemados para audiência no Fórum de Frutal   (Renato Manfrim/Jornal Pontal 20/07/11)
Vereadores de Fronteira, no Triângulo, chegaram algemados para audiência no Fórum de Frutal
De acordo com a assessoria de comunicação do TJ, o advogado dos vereadores, Arnaldo Silva Júnior, alegou que há uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para que os parlamentares retomassem os cargos no dia 8 de agosto. A defesa justificou ainda que o pedido de prisão foi “genérico e abstrato”, por não ter mencionado o nome de cada um dos envolvidos.

Nessa terça, os nove vereadores de Fronteira forma supreendidos pelos policiais quando estavam prestes a depor sobre o caso no Fórum da cidade vizinha, Frutal e fora encaminhados para a penitenciária da cidade. Conforme revelado pelo Estado de Minas, de janeiro de 2009 a setembro de 2010, os vereadores gastaram R$ 441 mil dos cofres públicos na cota da verba indenizatória, para custear o consumo de 169,6 mil litros de combustível para se locomover de carro - o suficiente para dar 54 voltas pela Terra. Nesta sexta, os parlamentares completam três noites na penitenciária de Frutal.

De acordo com o MP, em fevereiro deste ano os parlamentares foram processados e afastados dos cargos por meio de liminar, pela prática dos crimes de formação de quadrilha, atos de improbidade administrativa causadores de enriquecimento ilícito, danos ao tesouro público e peculato, ou seja, apropriação de bem ou verba pública.

As prisões foram motivadas pelo fato de os vereadores, mesmo longe das funções na Câmara Municipal, terem contratado em março deste ano, por meio da Casa, uma empresa que fornecia laudos técnicos para subsidiar a defesa dos parlamentares na Justiça. A contratação dos serviços dessa empresa de auditoria, avaliados em R$ 5 mil, foi feita sem os procedimentos de licitação, o que fere as normas constitucionais da administração pública. A informação é da Promotoria de Justiça de Frutal.

Esta matéria tem: (1) comentários
Autor: Nilson Gonçalves
Deveria ser feita uma devassa nas Câmaras Municipais, principalmente em cidades pequenas, onde acontecem coisas absurdas.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Veja a reportagem sobre a busca e apreensão na casa do prefeito Haroldo Queiroz

A TV Alterosa levou ao ar a reportagem abaixo. Ela trata da operação Cosa Nostra  realizada pelo MP que fez uma busca e apreensão na casa do prefeito Haroldo Queiroz, seu ASCONE Acir Parreiras, prefeitura e casa de empresários de Bom Despacho e Belo Horizonte.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Ação do MP contra Haroldo Queiroz foi notícia em blog de Divinópolis

(*) A notícia abaixo foi publicada no blog da vereadora Heloisa Cerri, de Divinópolis. Para ver a notícia original, é só clicar aqui.

MINISTÉRIO PÚBLICO FAZ BUSCA E APREENSÃO EM PREFEITURA

Prefeito de Bom Despacho é acusado de enriquecimento ilícito e desvio de verbas públicas

O prefeito de Bom Despacho, Haroldo Queiróz (foto), está sendo alvo de uma investigação do Ministério Público do Estado de Minas Gerais. Filiado ao PDT, Haroldo Queiróz é acusado de enriquecimento ilícito e desvio de verbas públicas

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio da Promotoria de Justiça de Bom Despacho e do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa da Ordem Econômica e Tributária (Caoet), realiza nesta quarta-feira (29), nos municípios de Bom Despacho, Nova Serrana e Belo Horizonte, a Operação Cosa Nostra para cumprimento de oito mandados de busca e apreensão na Prefeitura de Bom Despacho, em residências e em um estabelecimento comercial.

A operação teve o apoio da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) e da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG). Os mandados foram expedidos pelo juiz da 2ª Vara da Comarca de Bom Despacho.

O Ministério Público investiga o enriquecimento indevido pelo prefeito de Bom Despacho, Haroldo Queiróz, e a prática de outros atos de improbidade administrativa praticados por ele e por outros agentes públicos, com a participação de particulares.

A pedido do Ministério Público, foram deferidas as medidas de busca e apreensão, quebra de sigilos bancário e fiscal e de indisponibilidade de bens que teriam sido adquiridos pelo prefeito sem o devido lastro, no valor aproximado de R$ 1,5 milhão, segundo apurações preliminares.

Para a Operação, foram designados quatro promotores de Justiça, 19 servidores do Ministério Público, 19 agentes fiscais e 26 policiais militares.

Haroldo Queiróz cumpre seu segundo mandato à frente da Prefeitura de Bom Despacho. Em 2008, foi re-eleito pelo PDT com 14.107 votos.

ACUSAÇÕES – O vereador Fernando Cabral (PPS) é o único parlamentar de oposição na Câmara Municipal de Bom Despacho. Os outros oito edis que formam o Legislativo da cidade, pertencem à base do prefeito. Cabral vem denunciando irregularidades cometidas por Haroldo Queiróz desde o ano passado. No último dia 28 de março, o vereador apresentou formalmente as denúncias na sessão da Câmara e pediu ao Parlamento a cassação do mandato do prefeito.

Segundo Fernando Cabral, na compra de 29 veículos, Haroldo Queiróz deu um prejuízo de R$ 2.144.938,63 aos cofres públicos. Na canalização do Córrego dos Machados, o prejuízo foi de R$ 3.244.019,40. No total, o vereador denuncia o prefeito pelo desvio de R$ 5.458.958,03.

De acordo com matéria veiculada em seu Blog, Fernando Cabral diz que “parte do dinheiro desviado o prefeito investiu em apartamentos, carros, churrascaria. Outra parte ele perdeu no jogo de baralho. Uma terceira parte, gastou em festas e viagens nacionais e internacionais, como a que ele fez à Argentina, durante o carnaval”. O vereador afirma ainda que “para ocultar os desvios e fugir do fisco e dos credores, o prefeito colocou esses bens em nome de laranjas”.

Fernando Cabral foi o candidato a vereador mais votado em Bom Derspacho nas eleições de 2008, sendo eleito com 1.430 votos, quando o eleitorado da cidade era de 33.798 eleitores.

7 comentários:

Melina Gontijo disse...
Prezada Vereadora, Ao contrário do informado, o vereador Fernando Cabral não é o unico vereador da oposição. Os vereadores Ricardo Alvarenga e Coronel Jefinho também são da oposição. Sou de Bom Despacho, estive na reunião do dia 28/03 e falo isso com toda segurança. É preciso se informar melhor antes de divulgar informações erradas.
ANNA disse...
ANNA DISSE MAIS INFELIZMENTE MELINA,O CORONEL JEFINHO TAMBEM NAO VOTOU, SAIU ANTES DA REUNIAO TERMINAR ALEGANDO UM COMPROMISSO. EU TAMBEM ESTIVE LA.
Anônimo disse...
PENA QUE OS ELEITORES DESSES VEREADORES QUE NAO VOTARAM POR DIVERSOS MOTIVO NAO ESTAVAM LA PARA PRESENCIAR,POIS NAS PROXIMAS ELEICOES TALVEZ ELES TAMBEM NAO VAO QUERER VOTAR,OU TALVEZ TENHA ALGUM OUTRO COMPROMISSO E NAO PODERAO VOTAR NO CORONEL JEFINHO.OK
Anônimo disse...
Parabéns para a vereadora Dra. Heloisa Cerri pelo blog que consegue ser diversificado e informativo. Agradeço a vereadora que também é minha médica por noticiar os impropérios do prefeito de minha cidade. Quanto aos vereadores, os participativos seram recompensados em 2012 e AROLDO, nunca mais.
Anônimo disse...
Lugar de ladrão é na cadeia.Quer ver como Bom Despacho esta??? Vem aki fazer uma visita...kkkkk nao tem emprego,nao tem saude,nao tem educação...nao tem nada, a cidade vai comemorar 100 anos ,100 ter nada!!Lamentavel um prefeito desse.
Anônimo disse...
Infelizmente vivemos no país da piada pronta. O famoso jeitinho brasileiro para resolver as coisas acabam desencadeiando uma série de problemas. 99,9% dos problemas são resolvidos na base da propina (jeito brasileiro). O povo finge que ético, os políticos e as autoridades fingem que são honestadas, e os funcionários públicos (vergonha geral. Todo mundo quer ser um) fingem que trabalham ou estam doente (melhor exemplo é Brasília) e assim vivemos a vida. Temos que rir deste paisinho de merda que vivemos, que valoriza a porra de um Neymar, que milhares de pessoas ainda não tem o comer e ainda tenta sediar uma bosta de copa do mundo!!! Somos consequência de nossas ações!
Anônimo disse...
Anõnimo disse .... Esse tal Haroldo Queiroz nunca fez nada que prestasse para Bom Despacho.É cria de Newton Cardoso e outros por aí. Mas parte da população mal esclarecida de Bom Despacho diz que ele rouba mais faz. Não temos médico, não temos saúde, B.D. fará 100 anos, 100 anos de nada. Continuem votando nele, inclusive para Deputado, mas quando levarem seus parentes doentes na Santa Casa e não tiver médico não fiquem chamando a policia para registrar ocorrencia, leva no médico Dr.Haroldo Queiroz. Cuidado para não adquirir a doença dele:dinheiro alheio.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Empresário de Santo Antônio do Monte diz que Haroldo deve e não paga

Um empresário de Santo Antônio do Monte deixou no blogue o comentário abaixo. Ele descreve bem a irresponsabilidade do prefeito e seu ASCONE Acir Parreiras. Irresponsabilidade com seus fornecedores e com a prefeitura municipal.

Prezado vereador, sou da cidade de Santo Antônio do Monte e possuo um cheque de um funcionário da prefeiura (provavelmente usado como laranja) e endossado pelo então chefe de gabinete, Sr. Acir. Esse cheque foi dado como pagamento pela aquisição de fogos de artifício, como sendo para a prefeitura, porém, tivemos noticia de que estes fogos foram utilizados em um evento particular do prefeito Haroldo. O cheque voltou, pois a tal conta não tinha fundos, ou seja, fomos vitimas de um golpe deste prefeito. No ano passado, entramos em contato tanto com o Sr. Acir, como o Sr. Haroldo e também com sua esposa, eles reconhecem a dívida, porém não demonstraram interesse em quitá-la.Isto se deu no ano 2000... Se o senhor tiver interesse e isto servir para ajudar que a justiça seja feita, enviaremos com todo prazer. Parabéns por sua atitude de coragem! O Brasil precisa de politicos assim! Um abraço! 

Senhor empresário de Santo Antônio do Monte, estou à sua disposição para denunciar esses fraudadores. Me procure quando quiser e tomaremos as medidas legais cabíveis contra eles. Saiba, porém, que esse comportamento deles é corriqueiro. Gostam de comprar, de viver a vida à tripa forra, mas não gostam de pagar.

Tenho aqui comigo um vídeo que me foi entregue por uma pessoa que, como o senhor, é vendedor de fogos. Ele também levou cano. No total, cerca de R$ 30 mil (em dinheiro da época). O ASCONE Acir Parreiras assumiu o compromisso de pagar. Não pagou. Depois assumiu o compromisso de FRAUDAR UMA LICITAÇÃO NA PREFEITURA e, com esse dinheiro (da prefeitura!) pagar a dívida. (Os fogos foram usados no desfile de primeiro de junho e também em festa NA CASA DO PREFEITO).

De um agente público que faz esse tipo de promessa, o senhor pode imaginar o que esperar!

Aviso ao ASCONE Acir Parreiras

Senhor Acir, não perca tempo ameaçando me processar. Economize as palavras e passe à ação: processe logo. Bom Despacho e o mundo terão bons momentos assistindo ao vídeo em que o fornecedor narra como o senhor comprou fogos, usou na festa na casa do prefeito Haroldo Queiroz, e depois  prometeu pagar com dinheiro da prefeitura, mediante licitação fraudada. Os detalhes são escabrosos. Mas o senhor só o assistirá se pagar o preço do ingresso, que é abrir um processo contra mim, dizendo que estou mentindo. Espero o senhor no fórum.

Outra coisa: pare de mentir. A mentira tem pernas curtas.

Vereadores querem aumentar vagas na Câmara

A Câmara Municipal de Bom Despacho tem 9 cadeiras de vereador. Muitos dos atuais vereadores querem aumentar esse número para 13. Isso não acontece só em Bom Despacho, mas no Brasil inteiro. O motivo é simples: quanto mais cadeiras, mais fácil ser eleito. Por isso, quanto mais medo o vereador tem de não ser reeleito, mais ele deseja aumentar o número de vagas.

Em Bom Despacho, esse aumento de 9 para 13 vagas representaria um aumento de gasto da ordem de R$ 30 mil ou mais por mês (subsídios e outras despesas). Ou R$ 360 mil por ano. Dinheiro suficiente para construir uma creche ou asfaltar muitas ruas.

Em Jaraguá do Sul os cidadãos já começaram sua campanha contra esse aumento. Em Bom Despacho os cidadãos ainda não se manifestaram a respeito. O que você acha? Veja as fotos de Jaraguá do Sul (abaixo). Depois opine sobre o assunto (ao lado).


Grupo apresenta "Vila Feliz" no próximo dia 23 de julho

O quê?: Espetáculo de rua “Acontecimento em Vila Feliz”
Onde?: Praça da Matriz – Bom Despacho
Quando?: Dia 23 de julho, sábado
Horário: 16 horas
Duração: 55 minutos
Quanto: Gratuito
Acontecimento em Vila Feliz
Teatro de graça na Praça da Matriz

A Cia Pierrot Lunar, de Belo Horizonte, apresenta sua versão teatral para rua do conto homônimo do mineiro Aníbal Machado, “Acontecimento em Vila Feliz”. A apresentação gratuita será no sábado, dia 23 de julho, na Praça da Matriz, em Bom Despacho. 

“Acontecimento em Vila Feliz” revela uma fictícia vila mineira, que se vê às voltas com a suposta gravidez de uma de suas personagens mais ilustres e controversas. Helena, jovem bonita e sedutora, amada pelos homens da cidade e invejada pelas mulheres, casa-se com um forasteiro, gerando intrigas e maledicências por parte dos moradores, transformando sua vida num caos irreversível.

A montagem é o resultado do processo de pesquisa de linguagem que a Cia. Pierrot Lunar – que este ano completa 18 anos – vem desenvolvendo desde 2008 sobre a encenação de narrativas literárias. Trata-se da investigação e a experimentação dos recursos que o teatro dispõe para encenar um romance ou um conto. Neste processo, há a preservação da escrita original do autor, mantendo a categoria do narrador e os aspectos narrativos e descritivos. A trama de Aníbal Machado é apresentada com a simplicidade inerente à mineiridade proposta no texto, recheada por músicas executadas ao vivo pelos atores.

FICHA TÉCNICA

Versão teatral do conto de Aníbal Machado
Dramaturgia de Juarez Guimarães Dias
Direção Geral de Léo Quintão
Direção Musical de Luiz Rocha
Atuação de Léo Quintão, Luiz Rocha, Mariana Câmara,
Nando Motta, Neise Neves e Ronaldo Jannotti
Figurinos e Acessórios de Ricca
Confecção de Figurinos de Renata Mendes
Cenário da Cia Pierrot Lunar
Objetos de Cena e Adereços da Cia Pierrot Lunar
Orientação Cenográfica de Ed Andrade
Orientação de Pesquisa de Linguagem de Juarez Guimarães Dias
Coordenação de Produção de Léo Quintão e Neise Neves
Trilha Sonora de Luiz Rocha
Duração de 55 minutos
Realização da Cia Pierrot Lunar

As tetas da prefeitura amamentam famílias inteiras de porquinhos

terça-feira, 19 de julho de 2011

ProUni: termina hoje matrícula da segunda chamada

Estudantes aprovados na segunda chamada do ProUni devem matricular-se hoje. A partir de segunda-feira que vem (25/7) será feita a terceira chamada.

O que é o ProUni?
Programa Universidade para Todos, criado em 2004 pelo governo federal. Seu objetivo é conceder bolsa parcial ou integral para estudantes sem recurso. A renda familiar do estudante deve ser igual ou inferior a 3 salários mínimos.

A seleção dos estudantes é feita pela nota no ENEM.

Não se sinta obrigado a beber tanta água...

Para comemorar meus primeiros 50 anos,
fiz uma ultramaratona no Deserto do Saara.
Consumo de água: 2 a 3 litros por dia.
Entre as cinco ultramaratonas que corri, duas foram no Deserto do Saara, com extensão de 260 km pecorridos em 5 dias. Durante o dia a temperatura variava entre 45ºC e 55ºC. À noite caia para 5º C ou menos.

Correndo de 40 a 80 km por dia, sob tais temperaturas, quanto de água o ser humano precisa? A resposta correta é: depende. Depende da idade, do sexo, do tipo e da quantidade de comida, das vestimentas usadas. Mas, podemos dizer que, em média, em torno de 3 litros por dia.

Se um atleta de 50 anos, correndo sob o sol, precisa de cerca de 3 litros por dia, quanto de água precisará uma pessoa jovem, que passa o dia no escritório? A resposta surpreenderá a muitos: talvez um litro, talvez menos.

A resposta só surpreende porque estamos habituados a uma propaganda enganosa transformada em "verdade científica": aquela que diz que o ser humano precisa tomar ao menos dois litros de água por dia.

Na realidade, não existe nenhuma evidência científica de que esse seja o caso. Ao contrário, as evidências apontam que as necessidades costumam ser muito menores. Um litro ou menos. Isso acontece por dois motivos. O primeiro é que a necessidade tende a ser menor do que a propaganda diz. A segunda é que conta como água todos os líquidos já presentes na maioria dos alimentos. Arroz cozido, feijão cozido, legumes, frutas, chá, leite... tudo contém água. Muita água. O organismo usa essa água normalmente.

Se isso é verdade (e é!), então por que persiste a lenda de devemos tomar "pelo menos dois livros (oito copos) água por dia?

O principal motivo é que há uma indústria poderosa por trás dela. São os fabricantes de água engarrafada, "camel backs", e bebidas "repositoras de eletrólitos" (outra lenda!). Todos eles insistem na necessidade de grandes quantidades de água. Entretanto, estão apenas promovendo a venda dos seus produtos. Não estão interessados na saúde dos seus clientes.

Agora, a propaganda é de tal forma insistente, que também médicos, fisioterapeutas, nutricionistas e treinadores físicos acabam dando mais atenção à propaganda do que aos estudos científicos. Por isso repetem o que dizem os fabricantes. O que é também reconfortante para seus clientes, que compartilham essa mesma [des]informação.

Essa loucura pela "hidratação" chegou a tal ponto, que nas corridas de maratona e meia-maratona, há muito mais atleta desmaiando por excesso do que por falta de água. Isso mesmo: a falta de água provoca a desidratação, que reduz o desempenho do atleta. O excesso de água, porém, causa a  hiponatremia. Isso é, falta de sais no organismo. Com o excesso de água há uma perda acentuada de eletrólitos (sais de sódio e potássio). Com isso aparecem as cãibras, o coração fica irregular, vêm a náusea, confusão mental, fraqueza e até desmaios.

Mas, a preocupação com a  hidratação chegou a tal ponto de loucura, que muitas vezes o atleta com hiponatremia é tratado com... água. Exatamente aquilo que agravará a sua situação!

Recentemente alguns médicos têm tentado desbancar o mito dos dois litros de água por dia. Entretanto, a maioria das pessoas ainda prefere acreditar na propaganda do que nos estudos científicos.  Como esse, mencionado na matéria jornalística que reproduzo abaixo.

Recomendação de beber 2 litros de água por dia é falha, diz estudo (para ver a matéria original, clique aqui).


MARIANA VERSOLATO - DE SÃO PAULO
Deixe de lado a obrigação de beber oito copos de água por dia e a culpa que aparecer quando essa "missão" não for cumprida.
Segundo texto publicado ontem no "British Medical Journal", escrito pela médica Margaret McCartney, de Glasgow, na Escócia, o conselho de beber cerca de 2 litros de água por dia é "nonsense".
"Não há evidências científicas dos benefícios de beber quantidades grandes de água, mas o mito de que não bebemos água o suficiente tem vários defensores", diz.
Ela cita o site do National Health Institute (organização de saúde do Reino Unido), que recomenda ingerir de seis a oito copos de água por dia para evitar a desidratação, e organizações como a Hydration for Health, criada pela empresa Danone, fabricante de garrafas de água, que dão conselhos semelhantes.
Os únicos benefícios já provados da alta ingestão de água são dirigidos para pacientes que têm histórico de pedras nos rins, mas não há evidências suficientes de que o líquido possa impedir que elas apareçam em quem nunca teve o problema.
Fora isso, essa imposição corre o risco de ser até prejudicial porque pode causar deficiência de sódio no sangue e fazer as pessoas se sentirem culpadas por não beberem água o suficiente.
Daniel Rinaldi, presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia, afirma que a ingestão de água deve estar relacionada à sede, como um mecanismo de reposição de líquidos do corpo.
"Nosso organismo se autorregula. Não há mesmo evidências de que as pessoas precisam beber 2 litros de água diariamente."
As exceções valem para crianças e idosos, que podem não sentir sede.
Regiões muito secas ou épocas com calor excessivo também pedem mais líquidos. Mas o nefrologista afirma que a água não é a única fonte de hidratação do corpo.
"Muitos alimentos têm água e podem suprir essa necessidade", afirma.

Bom Despacho tem blog dedicado ao skate

Os skatistas bom-despachenses têm agora um blog dedicado ao assunto. Para visitá-lo basta clicar aqui
ou na imagem abaixo.

Bom Despacho terá teatro ao ar livre com entrada franca

O quê?: Espetáculo de rua “Acontecimento em Vila Feliz”
Onde?: Praça da Matriz – Bom Despacho
Quando?: Dia 23 de julho, sábado
Horário: 16 horas
Duração: 55 minutos
Quanto: Gratuito
Informações: Ronaldo Jannotti – (31) 9999-3119


Acontecimento em Vila Feliz é a versão teatral da Cia. Pierrot Lunar para o conto homônimo de Aníbal Machado, que revela uma fictícia vila mineira, que se vê às voltas com a suposta gravidez de uma de suas personagens mais ilustres e controversas: Helena, jovem bonita e sedutora, amada pelos homens da cidade e invejada pelas mulheres, casa-se com um forasteiro, gerando intrigas e maledicências por parte dos moradores, transformando sua vida num caos irreversível. Utilizando o recurso da ironia, Aníbal Machado compõe, a partir de um microuniverso, um painel da vida em sociedade, explorando as singularidades da cultura mineira, seus tipos, hábitos, costumes e comportamento. O autor busca no local as controvérsias e singularidades das relações interpessoais universais.

Com o espetáculo "Acontecimento em Vila Feliz", um novo desafio foi lançado ao grupo: desenvolver a linguagem de encenação de textos literários para o formato de rua. As questões que envolvem deslocam a criação do grupo em direção a espaços abertos, como parques e praças, percebendo a espacialidade desses locais como fonte rica de construção cênica, utilizando-se de seus elementos na composição da encenação, que deverá ajustar-se a cada lugar em que a montagem for apresentada. Somando-se a isso, tem-se a investigação da musicalidade cênica, não apenas nos seus aspectos do texto falado pelo elenco, mas do encontro da cena com a música popular, promovendo a interlocução entre um elemento comum ao teatro de rua com a mineiridade oferecida pelo texto de Aníbal Machado.

FICHA TÉCNICA

Versão teatral do conto de Aníbal Machado
Dramaturgia de Juarez Guimarães Dias
Direção Geral de Léo Quintão
Direção Musical de Luiz Rocha
Atuação de Léo Quintão, Luiz Rocha, Mariana Câmara,
Nando Motta, Neise Neves e Ronaldo Jannotti
Figurinos e Acessórios de Ricca
Confecção de Figurinos de Renata Mendes
Cenário da Cia Pierrot Lunar
Objetos de Cena e Adereços da Cia Pierrot Lunar
Orientação Cenográfica de Ed Andrade
Orientação de Pesquisa de Linguagem de Juarez Guimarães Dias
Coordenação de Produção de Léo Quintão e Neise Neves
Trilha Sonora de Luiz Rocha
Duração de 55 minutos
Recomendado para maiores de 10 anos
Realização da Cia Pierrot Lunar

b56a63c5-6e12-4ad3-81ef-13956069e781