sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Discurso de posse do prefeito Fernando Cabral

Concidadãs e concidadãos

   Nossa cidade vive um momento grave. Os cofres do erário estão vazios e as dívidas acumuladas devoram nossa receita.
   A saúde está paralisada.
   Crianças aguardam anos em longas filas para uma simples cirurgia de adenoide.
   Cidadãos esperam por exames cuja realização pode levar mais de meia década.
   A educação foi abandonada. O IDEB caiu e a merenda escolar está racionada.
   A frota do Município está sucateada. As máquinas e equipamentos enferrujam, paralisadas pela falta de manutenção.
   Nosso servidor público tem baixa produtividade, está desestimulado pelos baixos salários e, principalmente, pelo descaso que os vitima.
   A construção de obras de importância fundamental, como o centro de zoonoses, se arrasta por anos, quando deveria ter durado poucos meses.
   Não estão bem nossas estradas rurais; e não estão bem nossas ruas, praças e jardins.
   Os empresários, receosos de não receberem o que lhes é devido, ou desistem de fornecer ao Município, ou colocam sobretaxas para compensar o risco de atraso e de calote.
   Para onde quer que se olhe, vemos problemas.

   Mais grave do que os problemas, porém, é o fato de o cidadão – cansado de sofrer frustrações – está desacorçoado e desesperançado. Descrê dos políticos e arrenega suas propostas. Desconfia.
   Por isso, em outubro passado, o eleitor chegou às urnas com o espírito abatido e o coração apertado.

   Mas – com o gesto nobre do brasileiro que não desiste nunca – diante da urna, o bom-despachense recuperou do fundo do coração um débil fio de esperança. Impregnou-se de expectativa e fé e votou com os olhos apontados para o futuro e para o renascer.
   Esse eleitor confiou em nós.
   Ele confiou em nossas propostas.
   Tenho convicção de que esse eleitor não votou em nós para ver confirmadas as más notícias que ele já conhecia.
   Também não votou em nós para ouvir manifestos de indignação.
   Tampouco votou em nós para ouvir lamúrias


   Ele votou em nós porque sabia que não viríamos aqui maldizer a escuridão, mas acender uma vela.
   Não fomos eleitos para amaldiçoar ou reviver o passado.
   Fomos eleitos para construir o futuro.
   Ano passado encerrou-se o primeiro século de Bom Despacho.
    Encerrou-se uma era da política.
   O mundo mudou.
   Nossa cidade mudou.
   O patrimonialismo e o coronelismo estão agonizando.
   Estão agonizando porque esse modo antigo de fazer política não nos serve mais.
   E nós estamos aqui, para substituí-lo por um jeito novo.
   Um jeito novo de fazer política.
   Um jeito novo de administrar.
   Um jeito novo, que exige ideias novas; exige propostas novas; exige coragem nova.
   Foi esse jeito novo – que hoje se inaugura – que o eleitor escolheu no dia 7 de outubro do ano passado.
   Por isso, hoje é dia de proclamarmos que o passado é passado e que só nos interessa o presente e o futuro, para onde voltamos nosso olhar.
   Não me iludo.
   Não iludo o cidadão: há muito o que fazer.
   Para começar, devemos abandonar a visão de cada um para si e adotar a visão de que todos devemos nos unir em prol de uma causa comum. Causa essa que é o desenvolvimento de Bom Despacho.
   Não o desenvolvimento meramente econômico, apenas com o enriquecimento de alguns, mas, sim, o desenvolvimento integral e harmônico que traga para todos tranquilidade e qualidade de vida no sentido mais amplo.
   O novo século que agora raiou para Bom Despacho traz novas oportunidades e novas esperanças que precisam ser realizadas.

   Temos desafios.
   O maior desafio é fazer com que aquele débil fio de esperança que se manifestou nas urnas, no dia 7 de outubro, cresça até se tornar um caudal enérgico e forte, capaz de nos impulsionar adiante.
   Não é uma missão pequena.
   Mas não duvido, nem por um átimo, que os cidadãos desta terra estão preparados para realizá-la.
   Todos nós queremos sentir no peito e ostentar no rosto, o orgulho de ser bom-despachense. O orgulho de pertencer a uma coletividade que trabalha e confia.


   Nessa Bom Despacho do segundo século ainda temos muitos desafios, como a pobreza, como as drogas, como a baixa escolaridade.
   Também temos desafios como os preconceitos, a ignorância e as crendices.
   Mas, invés de olhá-los com desânimo, com indiferença ou tibieza, vamos enfrentá-los com denodo, com coragem, com vontade de vencer.
   Principalmente, não nos abandonaremos à comodidade de nada fazer e amaldiçoar a escuridão.
   Não aceitaremos a cansada e batida afirmação de que não adianta tentar, porque nada muda.
   Mudará, se invés de complacência e tolerância, tivermos coragem e disposição.
   Coragem e disposição que nós temos, e que o povo de Bom Despacho tem.


   Há muito o que fazer.
   E para fazer esse muito, precisamos de tempo.
   E porque precisamos de tempo, pediremos ao cidadão um pouco mais daquilo que ele já gastou muito, que é sua paciência.
   Mas não será tanto tempo.
   Com a ajuda de todos, em 100 dias já teremos mudado as feições de nossa cidade.
   Em um ano, nem o mais cético poderá negar as melhoras.
   Em quatro anos, entregaremos todos os nossos compromissos, cumpridos.
   A cada dia traremos para o presente um pouco mais do futuro onde queremos chegar.
   Futuro que será moldado muito mais pelo trabalho de todos, do que pela vontade do prefeito ou dos seus auxiliares.


   De hoje em diante, a cidade inteira nos observará. Não podemos falhar à confiança e à esperança em nós depositadas.
   Não falharemos.
   Por isso, àqueles que olham o passado com nostalgia, digo que, de braços dados com o povo, nós levaremos essa cidade ao seu futuro e a seu destino.
   Para isso, com o poeta já aprendemos a lição de que “sonho que se sonha só, é só um sonho, mas sonho que se sonha junto, é realidade”.
   No dia 7 de outubro, fomos eleitos para transformar em realidade a cidade que todos nós sonhamos ter.
   Nós acreditamos. Juntos, nós podemos. Juntos, nós faremos.
   Com esse jeito novo, juntos, todos teremos orgulho de Bom Despacho.

3 comentários:

Junio Oliveira Vpa disse...

Muito bem, Fernando Cabral! Suas palavras foram maravilhosas, pena que não estive ai para lhe prestigiar pessoalmente. Mas estou torcendo por você e, tenho fé que tudo irá ser diferente de hoje em diante. Um grande abraço e, que Deus ilumine seus passos!

Junio Oliveira Vpa disse...

Fernando Cabral, vc esta de parabens pelo seu discurso. Suas palavras me motivaram e incentivaram a fazer o melhor pela cidade. Muito sucesso nesta caminhada e, que Deus o ilumine sempre. Um grande abraço!

Ricardo disse...

Que Deus ilumine você, Fernando, e toda a sua equipe, nessa difícil, mas gratificante missão, de levar Bom Despacho ao seu devido lugar!

b56a63c5-6e12-4ad3-81ef-13956069e781